ESGOTO


Os gráficos abaixo referem-se aos resultados obtidos para o efluente bruto e tratado no município de Montes Claros-MG e as condições do Rio Vieira antes e depois de receber o efluente tratado.


 

pH: O efluente tratado para ser lançado no corpo receptor deve possuir pH entre 5 e 9, conforme Resolução Conama 430/2011. Valores de pH afastados da neutralidade tendem a afetar as taxas de crescimento de microorganismos e causar impactos sobre o corpo receptor.

 

 

Temperatura: A temperatura dos efluentes lançados diretamente no corpo receptor deverá ser inferior a 40ºC conforme exigido pela Resolução do Conama 430/2011. Esse parâmetro se não estiver em conformidade pode afetar o metabolismo dos microorganismos presentes no corpo d’água e interferir na quantidade de oxigênio disponível no meio.

 

​​​​​

 

DBO: No lançamento direto de efluentes oriundos de sistemas de tratamento de esgotos sanitário a Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) deverá atingir o máximo de 120 mg/L, conforme Resolução do Conama 430/2011. Já para o corpo d'água a resolução do Conama 357/2005 limita em 10 mg/L O2, caso se enquadre em classe 3, a fim de garantir condições de qualidade para o mesmo. 

O objetivo de realizar o seu controle é saber se o descarte direto ou pós tratamento não vai comprometer os níveis de oxigênio dissolvido nos corpos d'água.